Meia 92

quarta-feira, 24 de julho de 2024
quarta-feira, 24 de julho de 2024

Confira a programação das férias de julho do Museu da Língua Portuguesa

Fotos-gerais-Guilherme-Sai-26-04-24--21--1-

A programação cultural do mês das férias estará recheada no Museu da Língua Portuguesa, instituição da Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas do Estado de São Paulo. O principal destaque é a atividade Estação Férias – Palavra com Raiz, que oferecerá oficinas, brincadeiras e intervenções interativas sobre as presenças das culturas africanas na identidade cultural brasileira para a criançada e toda a família.

Ao longo do mês de julho, a entrada para o Museu aos fins de semana será gratuita. Ou seja, o público não pagará nada tanto no sábado, como já ocorre desde a sua reabertura, quanto no domingo – neste dia da semana, a promoção será válida até 31 de agosto.

Brincadeiras e oficinas diárias que dialogam com o tema da exposição temporária Línguas africanas que fazem o Brasil e apresentações especiais aos sábados e domingos integram a programação da Estação Férias – Palavra com Raiz. A ação, criada exclusivamente para o mês das férias do meio do ano de 2024, terá início no dia 9 de julho (terça-feira, feriado em São Paulo) e se estenderá até o dia 28 de julho, sempre de terça a domingo, das 10h às 17h.

Uma grande árvore Baobá, símbolo de resistência e ancestralidade africana, será instalada no centro do Saguão B. Partindo dos troncos desta árvore, que representarão as línguas bantu, as oficinais e intervenções interativas e afetivas apresentarão as influências e presenças das culturas africanas na cultura brasileira. Aos sábados e domingos, haverá apresentações artísticas.

As ações da Estação Férias – Palavra com Raiz serão oferecidas em parceria com a organização Piraporiando, cujo trabalho se baseia na educação antirracista.

Mais atrações
Além da Estação Férias – Palavra com Raiz, o Museu também promoverá uma série de outras atrações. Entre elas, contação de histórias, sessão de cinema ao ar livre, clube de leitura, feira de troca de livros e apresentações artísticas.

O espetáculo Palavra Brinquedo é a atração do projeto É Hora de História do dia 2 de julho (terça-feira), das 10h às 11h. Nesta performance, dois contadores e musicistas contam histórias e propõem jogos interativos, tendo como inspiração poetas como Manoel de Barros, Haroldo de Campos e Adriana Falcão.

O Núcleo Educativo promove atividades gratuitas às quartas-feiras no Museu. No dia 3 de julho, o público poderá montar uma história em cordel com xilogravuras disponibilizadas pelos educadores e educadoras. Já no dia 17, será realizada a brincadeira Palavras Bantu, que instiga os visitantes a descobrirem que palavras de nosso vocabulário têm origem em línguas africanas. Gratuita, as atividades acontecem no Saguão B, das 12h às 13h.

Com mediação da poeta e tradutora Lubi Prates, o 4º encontro do Papo Literário: narrativas negras em língua portuguesa vai debater o livro Poemas da Recordação e Outros Movimentos, de Conceição Evaristo. Trata-se do clube de leitura do Museu, que se reúne uma vez por mês. Em julho, ele está programado para acontecer no dia 13, das 14h30 às 16h30, com tradução em Libras e sorteio de livros.

A 4ª Feira de Troca de Livros do Museu acontece no dia 20 de julho (sábado). A cada edição, as pessoas são estimuladas a trocar com o Museu até oito livros em bom estado: sendo quatro livros por outros quatro livros da instituição e quatro livros por quatro ingressos (válidos até 29 de dezembro de 2024). Caso a pessoa queira doar mais livros ao Museu, não há limite, desde que respeitadas as categorias literárias indicadas. Também podem trocar livros entre si. A atividade ainda promove mediação de leitura e conta com um espaço infantil.

Também no dia 20, das 12h às 14h, no Saguão Central da Estação da Luz, acontece o 5º Sarau Africanizar no Museu, com curadoria do Samba D’KetuOs convidados serão o DJ Pedrinho, a professora de dança Raquel Barcossa e o Grupo Vaib Boa.

Na última quinta-feira do mês, dia 25, os amantes do cinema estão convidados a assistir, em película 16 mm e em versão dublada, o clássico King Kong, lançado em 1933. A exibição acontece dentro do projeto Luz na Tela, o cinema ao ar livre do Museu. A curadoria é do Museu Soberano – Rua do Triunfo. A sessão tem início às 19h30, com distribuição gratuita de pipoca e guaraná.

No último fim de semana de julho, nos dias 27 e 28 de julho, haverá uma apresentação de dança e contação de histórias. No sábado, a atração é o Tambor de Crioula Dona Teca, que integra a programação do Plataforma Conexões, que selecionou trabalhos de novos artistas. Das 12h às 13h, no Saguão Central da Estação da Luz, o público poderá conferir uma performance de dança, cantos e ritmos de uma das manifestações mais importantes do Maranhão.

Já no domingo, dia 28, encerrando a programação especial do mês das férias de julho do Museu, é a vez do espetáculo Fantasmas da SP Antiga, da Cia. Mapinguary. A trilha sonora da peça é executada ao vivo, relembrando alguns compositores nascidos na capital paulista. A apresentação acontece das 11h às 12h, no Saguão B do Museu.

Exposições
Quem vier ao Museu ainda tem acesso à sua exposição principal e à mostra temporária Línguas africanas que fazem o Brasil.

A exposição principal aborda a diversidade da língua portuguesa falada no território brasileiro por meio de experiências audiovisuais, imersivas e interativas. Um dos destaques é o Beco das Palavras, um jogo em que o público é instigado a juntar pedaços de palavras por meio da sombra do braço projetada em uma mesa: a experiência, uma das mais populares do Museu, ensina por meio da brincadeira.

Já a mostra temporária Línguas africanas que fazem o Brasil apresenta a presença do iorubá, fon, quicongo e outras línguas de África no português falado no Brasil. Isso se dá por meio de obras de arte de nomes como Aline Motta e J.Cunha e de recursos audiovisuais e interativos encontrados em uma sala na qual o visitante é surpreendido ao falar em voz alta termos como afoxé e acarajé. A curadoria da exposição é de Tiganá Santana.

A exposição conta com patrocínio máster da Petrobras, patrocínio da CCR, do Instituto Cultural Vale, e da John Deere Brasil; e apoio do Itaú Unibanco, do Grupo Ultra e da CAIXA.

Conteúdo Relacionado

Rolar para cima