fbpx

Meia 92

sábado, 18 de maio de 2024

Vacinação na primeira infância: confira as imunizações necessárias de zero a 12 meses

Design sem nome (1) (38)

A vacinação dos bebês e das crianças é o primeiro passo para assegurar a saúde na primeira infância. Nesta fase, são aplicadas a maior parte das imunizações que estimulam o sistema imunológico para gerar anticorpos para infecções específicas. No organismo, esses anticorpos estão prontos para entrar em ação caso a criança entre em contato com o vírus ou bactéria causadora da doença, como hepatite, rubéola, tuberculose e poliomielite.

Segundo o relatório Situação Mundial da Infância 2023, do Fundo das Nações Unidas para a Infância UNICEF, 1,6 milhão de crianças não receberam nenhuma dose da vacina DTP, que previne contra difteria, tétano e coqueluche, entre 2019 e 2021. Globalmente, 48 milhões não receberam nenhuma dose da DTP nesse período. Os dados são semelhantes para a vacina contra a pólio, que também conta com três doses. No Brasil, 1,6 milhão de crianças não receberam nem a primeira dose (VIP1) contra a pólio, entre 2019 e 2021.

A enfermeira especialista em vacinação da Clínica Vacinne, Kátia Oliveira, lembra que além de proteger o bebê e as crianças até um ano de vida, a vacinação é fundamental para evitar casos de doenças de transmissão interpessoal. “Nessa fase, as crianças convivem com mais pessoas, e muitas vezes frequentam também a escola. O calendário de vacinação é uma ferramenta eficaz para assegurar a saúde e o bem-estar das crianças, fortalecendo o sistema imunológico desde o início da vida”, afirma.  A especialista elenca as principais vacinas recomendadas dos 0 a 12 meses:

  1. BCG (Bacilo Calmette-Guérin): administrada ao nascer, protege contra a tuberculose.
  2. Hepatite B: aplicada ao nascer e em outras doses conforme o calendário, previne a hepatite B.
  3. VIP/VOP (Vacina Inativada Poliomielite/Vacina Oral Poliomielite): oferecida aos 2, 4 e 6 meses, com reforço aos 15 meses. Protege contra a poliomielite.
  4. Penta (DTP/Hib/Hep B): administrada aos 2, 4 e 6 meses, com reforço aos 15 meses. Combinação que protege contra difteria, tétano, coqueluche, meningite e hepatite B.
  5. Rotavírus: ministrada aos 2 e 4 meses, previne a gastroenterite causada pelo rotavírus.
  6. Meningocócica C: aplicada aos 3 e 5 meses, protege contra a meningite C.
  7. Pneumocócica: administração aos 2, 4 e 6 meses, com reforço aos 12 meses. Prevenção contra doenças causadas pelo Streptococcus pneumoniae.
  8. Tríplice Viral (SCR):é oferecida aos 12 meses, protege contra sarampo, caxumba e rubéola.

O Ministério da Saúde  incluiu, também, nas vacinas da primeira infância a vacinação contra a covid-19, no esquema de três doses, a partir dos seis meses de vida: 1ª dose para a 2ª dose: intervalo de 4 semanas; e 2ª dose para a 3ª dose: intervalo de 8 semanas. “Seguir o calendário nacional de vacinação é fundamental para proteger a criança, além de contribuir para a redução da incidência de doenças no Brasil”, afirma Katia.

A Clínica Vacinne disponibiliza dispositivos para ajudar os pequenos a terem uma relação mais positiva com a experiência da vacinação: o Buzzy, uma ferramenta fácil de usar e clinicamente comprovada, que utiliza a vibração e o resfriamento para desviar a atenção das crianças da sensação da picada, e também um óculos de realidade virtual, que funciona como uma distração no momento de aplicação do imunizante. Com a tecnologia, a criança pode escolher o filme ou desenho de sua preferência, que oferece uma distração durante a aplicação.

Conteúdo Relacionado