fbpx

Meia 92

sábado, 2 de março de 2024

Farmácias de manipulação investem no mercado pet

Young woman taking a bath with her favorite dog, world dog love day concept.

Aumigão em casa, cãopanheiro na viagem, pet influencer nas redes sociais. Seja qual for a “atividade principal” de um animal de estimação, a relação entre tutores e seus bichos se transformou ao longo dos anos para torná-los ainda mais próximos. Nesta boa convivência, as preocupações com a saúde dos pets acabaram por conquistar lugar de honra, com espaço cada vez mais ampliado para medicamentos e produtos personalizados que atendam às necessidades de cada animal.

O Brasil tem uma das maiores populações de animais de estimação do mundo. Dados da Euromonitor, divulgados pela Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet), indicam que o País tem cerca de 170 milhões de pets. Os cães, de acordo com o levantamento, são 68 milhões. Aves (42 milhões), gatos (34 milhões), peixes ornamentais (22 milhões), coelhos e roedores (2 milhões) completam a estatística.

Esta grande população movimenta um mercado diversificado no País. De ração a itens cosméticos, de brinquedos a produtos veterinários, o nicho pet prima pela criatividade e qualidade, combinação irresistível mesmo para um tutor rigorosamente controlado em seu orçamento mensal.

Segundo estimativa do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sidan), o segmento pet deve crescer 15,8% até o fim deste ano e 15% em 2024. As perspectivas promissoras também alcançam o mercado farmacêutico personalizado.

Consultora da Consulfarma, empresa que oferece assessorias técnica e científica para farmácias de manipulação, a médica veterinária e farmacêutica dra. Vanessa Gonçalves observa uma procura cada vez maior por medicamentos e produtos personalizados para os pets. “Da mesma forma que para os humanos, podemos individualizar as doses dos remédios para os animais, criar soluções para facilitar a ingestão dos medicamentos ou mesmo formular produtos cosméticos hipoalergênicos”, exemplifica.

Neste mercado em constante desenvolvimento e atualização, a especialista destaca como inovação a aplicação da nanotecnologia, com ativos nanoencapsulados de uso tópico. “Os medicamentos formulados com esta tecnologia aumentam o tempo de liberação do princípio ativo na pele do animal”, explica.

Entre os produtos desenvolvidos pela Consulfarma, disponíveis em redes de farmácia de manipulação no Brasil, há hidratante antiderrapante, que diminui o atrito das patas com o chão, protetores solares em formato de stick, aplicáveis no focinho do animal, e xampus personalizados para cada necessidade e característica de pelagem.

Em se tratando de gatos, ministrar um remédio nem sempre é tarefa fácil para os tutores. “Nestes casos, formulamos uma pasta medicamentosa prescrita pelo veterinário, que é aplicada por seringa oral, com bico de silicone flexível, diretamente na boca do animal, evitando assim o estresse na hora da medicação”, diz dra. Vanessa.

Para os cães, o biscoito medicamentoso em formato de ossinho é uma maneira de ingerir remédios, vitaminas e suplementos. “Também conseguimos manipular medicamentos com a utilização de aromatizantes doces, como chocolate e morango, ou salgados, como carne e frango.”

Outra vantagem da manipulação, segundo a farmacêutica, é a possibilidade de eliminar o uso de conservantes de alimentos e da pasta dental. Em xampus e hidratantes, as fragrâncias hipoalergênicas também oferecem maior segurança para os pets.

“Tudo o que desenvolvemos vem da necessidade da individualização. E o que já era aplicado aos humanos, em muitos casos também pode ser formulado para os animais de estimação, sempre com a perspectiva da segurança, isenção de toxicidade e visando a saúde, longevidade e a boa qualidade de vida”, finaliza dra. Vanessa Gonçalves.

Conteúdo Relacionado