fbpx

Meia 92

segunda-feira, 20 de maio de 2024

Coluna de Cultura – Pequenas livrarias, grandes prazeres!

Cultura

Como a região de Pinheiros se tornou o reduto de charmosas livrarias de rua que se tornaram verdadeiros espaços de resistência

A região de Pinheiros, em São Paulo, não é só um local de uma diversificada gastronomia. Restaurantes “hypados” dividem a cena com livrarias que são verdadeiros encantos para os olhos e que seguem a tendência de unir a experiência da leitura acompanhada de um saboroso café.

Segurar um livro nas mãos, folheá-lo e sentir o cheiro do papel. Para muitos, um prazer que não têm preço. Já dizia a escritora britânica J.K. Rowling: “Palavras são nossa inesgotável fonte de magia. Capazes de ferir e de curar”. E essa viagem por tantas histórias já começa dentro de uma livraria.

Livraria Mandarina

Nosso passeio por Pinheiros tem início na Livraria Mandarina, das queridas Daniela Amendola e sua sócia, a jornalista Roberta Paixão. Durante alguns anos, Dani Amendola, sustentou um espaço democrático, de grandes encontros e frutíferos debates no saudoso Quintal Amendola, frequentado por intelectuais e artistas, local onde eram oferecidos cursos, palestras, leituras dramáticas e que abrigava projetos parceiros, como o Mais Ainda, que tinha a minha curadoria.

A incansável Dani sempre teve um sonho: o de ser livreira. E esse desejo se materializou na Rua Ferreira de Araújo, 373, local no qual se oferecem insumos, como livros, palestras, cursos de literatura e humanidades, grupos de estudos, saraus de leitura, bate-papo com autores e clube do livro. A curadoria é feita a seis mãos, com a valorosa colaboração de Dionisius Amendola.

Livraria Mandarina

“Como um espaço democrático e de resistência, damos destaque às editoras e autores independentes, juntamente com editoras já consagradas como a Companhia das Letras, Editora 34, Record, L&PM, Boto-cor-de-rosa, entre outras. Primamos pela proximidade e estamos sempre prontos para indicar o melhor livro para cada um. Os livros de ficção têm grande procura, entre as biografias, a da Rita Lee. Como somos em três livreiros, indicamos o que lemos.

No mês de julho, os livros mais vendidos foram Latim em pó, do Caetano Galindo; Onde pastam os minotauros, do Joca Terron; e A pediatra, da Andrea Del Fuego”.

Livraria Mandarina

A Livraria Mandarina ainda conta com um espaço dedicado aos pequenos leitores, a sala infanto-juvenil que leva as crianças e os adultos ao céu. Vale a pena conferir.

Completam a experiência, o cheesecake de mandarina (tangerina), da vizinha Pandam, e o café expresso blend Mandarina, desenvolvido com exclusividade para a livraria pela Catarina Love Coffee, além da fatia de bolo e pão de queijo da Bolo à toa ou uma taça de espumante chileno geladinho. E se você tiver sorte ainda pode encontrar com a escritora Aline Bei ou o escritor Milton Hatoum, frequentadores assíduos da Livraria. No último dia 18 de agosto, a Mandarina completou quatro anos de existência.

Livraria da Tarde

A pequena leitora de Ziraldo e Ruth Rocha, na infância, e de Clarice Lispector, Manuel Bandeira e Fernando Pessoa, na adolescência, cresceu e se tornou a proprietária da charmosa Livraria da Tarde. Mas, antes disso, Monica Carvalho formou-se em Psicologia e durante anos trabalhou no mercado corporativo “ A Livraria da Tarde surge do desejo de ter um espaço repleto de livros, onde as pessoas pudessem se encontrar, dialogar, trocar ideias e formar uma comunidade de leitores pensantes e atuantes. Oferecemos uma curadoria de livros de literatura geral, artes, ciências humanas, negócios e infantojuvenil. Nossa expectativa é que os livros nas estantes ganhem vida nas mãos dos leitores – afinal, um livro só está vivo quando é aberto e lido”.

Livraria Mandarina

Localizada na Rua Cônego Eugênio Leite, 956, a Livraria da Tarde é inspirada nas pequenas e charmosas livrarias que Mônica conheceu nas suas viagens ao exterior.  “A proposta, quando pensei na livraria, era a de criar um ambiente para acolher o cliente — da sua chegada no espaço a uma boa curadoria de literatura. Um local onde as pessoas possam se sentar confortavelmente em poltronas aconchegantes para  curtir um café gostoso ou um chocolate, saindo de lá com a sensação de que o tempo parou.

Antes de abrir a livraria, Mônica conversou com outros livreiros, editores, com a CBL (Câmara Brasileira do Livro) e também soube que outras livrarias estavam para se instalar no mesmo bairro, a exemplo da Mandarina e da Travessa, mas isso não foi um impeditivo.  De perfil empreendedor, a mineira, amante de poesia, seguiu com o seu desejo e três meses antes da pandemia se instalar no país, abria as portas da Livraria da Tarde. “Inauguramos em dezembro de 2019 e em março de 2020 tivemos que fechar as portas. Mas nos reinventamos e seguimos atendendo os clientes via whatsapp e intensificamos o trabalho nas redes sociais. O clube de leitura também segue firme e forte, bem como o bate-papo com autores e lançamentos”.

Quem passar pela livraria pode experimentar as delícias do By Nina e ainda ser recepcionado pelo Lennon, o doguinho mascote da Livraria da Tarde, que faz o maior sucesso dentro e fora das redes.

Livraria da Tarde

Impossível será você entrar na Livraria da Tarde e não olhar para cima. Uma enorme escultura de um livro aberto que pende do teto te recepciona e mexe com os seus sentidos. O arquiteto Pedro Caribé, que assina o projeto, nos convida a mergulhar no universo da leitura em um ambiente quase distópico.

Na vizinhança

No bairro da Pompéia, na rua Tucuna, 298, a Livraria Pé de Letra tem como diferencial ser especializada em livros infantis. A pequena livraria não agrada somente aos pequenos, mas encanta os pais também. Inaugurada em 2021, a livraria resume assim a sua missão: “A leitura humaniza, estimula a criatividade e consolida valores como solidariedade, empatia e senso crítico”.

São 1.500 obras no acervo, com curadoria feita por pessoas que atuam na área de educação, em um ambiente lúdico e criativo, pensado para cativar o pequeno leitor. Inaugurada em 2021, tem a frente do negócio, o jornalista e morador da região, Alfredo Caseiro. A escolha por esse nicho se deu justamente pela importância que os livros tiveram na sua infância. Foi sua tia que introduziu alguns clássicos em sua vida, como os de Monteiro Lobato, que o estimularam a escrever suas próprias histórias e a escolher uma carreira na área da escrita.

A Pé de Letra oferece contação de histórias, oficinas de jogos, clube de leitura e oficinas e se tornou um passeio para toda a família. Também recebe com frequência, educadores e alunos.

Especializada em escritoras

“Será que você vai conseguir encher uma livraria?”, “Mas será que não é limitar demais uma livraria só com autoras?”. Essas foram as interrogações dirigidas à livreira. “Existe a falsa ideia de que mulheres não escreviam. A questão é que as mulheres escreveram e escrevem muito. As referências bibliográficas utilizadas no meio acadêmico pouco valorizavam a escrita feminina. A Gato sem rabo surge justamente para desmistificar a noção de que a narrativa masculina é universal”.

Especializada em escritos de mulheres, a independente Gato sem Rabo está localizada na Rua Amaral Gurgel, 352, na Vila Buarque. Inaugurada em 2021, tem a frente a pesquisadora em artes, Johanna Stein, que conta que o insight para abrir a livraria foi a dificuldade de encontrar bibliografia feminina. O nome da livraria vem de um compilado de palestras proferidas por Virginia Wolf em 1928, publicado com o nome ‘Um Teto Todo Seu’ ou ‘Um Quarto só Seu’.

O acervo da livraria fala por si só e evidencia o quanto as mulheres produzem. São quase 2 mil títulos, de 680 autoras, publicados por 200 editoras. Johanna divide a curadoria com Yala Araújo e Ticiane Lis, que também são responsáveis em promover ciclos de debates. Um livro parado na estante é um livro morto. É nossa obrigação fazer esses discursos circularem”.

O catálogo da Gato sem rabo conta com livros de todas as áreas do conhecimento, desde ficção, poesia, contos, infantil e uma área dedicada à geração Z. Dos clássicos das americanas, das inglesas, das francesas à produção textual e intelectual de mulheres do sul global — como as latinoamericanas e as africanas.

Desde pensadoras como bell hooks, Maya Angelou e Simone de Beauvoir, até escritoras latino-americanas contemporâneas pouco conhecidas no Brasil. Os livros também circulam por todas as áreas do pensamento – até porque mulheres não escrevem só sobre gênero e políticas do corpo.

Amora Livros

Mas se você é daqueles que prefere receber seus livros em casa, a assinatura de um clube de leitura é o ideal.

A Amora Livros, de Curitiba (PR), é um clube de assinatura criado pelos empreendedores Maria Ignacia Sturam, Fernanda Ávila, Patricia Papp e Vicente Frare e faz uma curadoria especial de literatura contemporânea produzida por mulheres no Brasil e no mundo.

“Todos os meses, os assinantes recebem em casa uma caixinha com um livro surpresa escrito por uma autora contemporânea, além de um minilivro com um conto inédito de uma autora estreante selecionada para o projeto Pé de Amora e algumas “amorices”: surpresinhas especiais como marca-páginas, adesivos, tag de porta e postal colecionável. Para escolher os livros que compõem a nossa curadoria, lemos centenas de obras, investigamos prêmios e festivais, ouvimos autoras que respeitamos, trocamos ideias com editoras, agentes literários e especialistas. Construímos uma lista muito especial do que melhor vem sendo produzido por autoras vivas no Brasil e no mundo. Obras excepcionais, de escritoras conceituadas, que vão trazer novas visões, muitas aventuras, despertar reflexões e mexer com a emoção de leitoras e leitores. Queremos ser aquela livreira amiga, que te pega pela mão e indica obras que vão despertar ainda mais a sua paixão pelos livros”, ressalta Fernanda Ávila.

Saiba mais: www.livrariadatarde.com.br , @livrariadatarde

www.livrariamandarina.com.br, @livraria_mandarina

www.gatosemrabo.com.br, @gato.sem.rabo

@pedelivro.livrariainfantil

www.amoralivros.com.br, @amoralivros_brasil

Para ouvir as entrevistas com a Amora Livros e Monica Carvalho em @projetoentreelas no Spotify

Patrizia Corsetto é jornalista, radialista e psicanalista e

assina a coluna de cultura semanalmente

 

 

Fotos: Divulgação

Conteúdo Relacionado