fbpx

Meia 92

segunda-feira, 24 de junho de 2024

5 dúvidas sobre epilepsia e maternidade respondidas por especialistas

cerebro-feito-de-papel-na-cabeca-da-pessoa

A epilepsia é uma doença que segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) atinge mais de 50 milhões de pessoas no mundo. A falta de conhecimento sobre o assunto pode resultar em preocupações e incertezas, especialmente durante a maternidade. Com o objetivo de esclarecer e oferecer informações essenciais, especialistas médicos e mães que têm a doença estiveram reunidos em live organizada pela Associação Brasileira de Epilepsia (ABE) para responder as principais dúvidas sobre epilepsia e maternidade.

Participaram do bate-papo a Dra. Daniela Bezerra, a neuropsicóloga Nívia Colin e a convidada Patrícia Motta que é mãe e possui o diagnóstico de epilepsia. Em pouco mais de uma hora, elas mesclaram o conhecimento técnico e científico com as experiências de quem enfrenta a situação. Entre os principais pontos discutidos, estão:

 

Epilepsia e Gravidez: Muitas mulheres questionam se é seguro engravidar tendo a doença. As especialistas garantem que, com o devido acompanhamento médico, a maioria das mulheres com epilepsia pode ter uma gravidez saudável. A chave está em ajustar os medicamentos e monitorar de perto a condição durante a gestação.

 

Riscos para o Bebê: Preocupações sobre os possíveis efeitos da epilepsia e dos medicamentos antiepilépticos no desenvolvimento do bebê são comuns. “o uso dos medicamentos tem que ser conversado com um médico, em alguns casos pode ser que a mãe consiga usar de forma segura, minimizando os riscos para o bebê”, aponta a Dra. Daniela. A supervisão contínua de profissionais como neurologistas e ginecologistas é crucial para garantir a saúde tanto da mãe quanto do filho.

 

Amamentação e Medicação: Mães que amamentam podem ter preocupações sobre a amamentação enquanto tomam medicamentos antiepilépticos. Isso varia de acordo com cada gestação. Muitos desses medicamentos são compatíveis com a amamentação, mas tem que ser analisado a gravidade de cada caso, escolha certa do medicamento e o monitoramento para que seja realizado de forma segura para mãe e filho. “Eu não tive problemas para amamentar pós parto, mas o acompanhamento médico foi fundamental para isso”, afirma a convidada.

 

Como conduzir a educação: Segundo relatos que foram escutados pela ABE, existem mães que possuem o receio de assumir para os filhos que possuem epilepsia com o intuito de protegê-los. “Apesar de ser uma responsabilidade muito grande para uma criança, é importante educar o filho aos poucos como funciona a epilepsia e como agir em uma eventual tensão”, afirma a Dra. Daniela.

 

Medo de transmissão: Outro mito comum é que ideia de que se os pais possuem a doença os filhos também vão ter. É certo que se a família possui um histórico de epilepsia as chances aumentam, mas não é possível determinar uma porcentagem para isso pois depende de diversos fatores como o nível de crise epilética que a família carrega.

Este conjunto de respostas apurado pela Associação Brasileira de Epilepsia, visa oferecer tranquilidade e informações embasadas para as mulheres que vivem ou pretendem viver a maternidade enquanto enfrentam a epilepsia. “É preciso valorizar o fato de ter epilepsia e conseguir manter o sonho da maternidade, isso é o ponto chave que vem desde a concepção de querer engravidar”, afirma a Dra. Daniela. O acompanhamento médico contínuo e a comunicação aberta com os profissionais de saúde são fundamentais para garantir uma experiência positiva durante esse período tão especial.

Para conferir a live na íntegra direto do Instagram da ABE, basta clicar aqui.

Conteúdo Relacionado