fbpx

Meia 92

domingo, 3 de março de 2024

Uma Das Doenças Mais Letais Do Mundo Está Afetando Os Famosos. Entenda o Que é a Sepse e Medidas Protetivas Para Evitar a Doença

IMG_5425
A sepse, ou septicemia, é uma das doenças mais mortais do mundo e tem sido destaque na mídia recentemente após afetar celebridades como Madonna, Preta Gil e Stênio Garcia. Infelizmente, em maio deste ano, o ex-deputado federal David Miranda também faleceu devido a essa condição. De acordo com o Ministério da Saúde, ocorrem entre 47 e 50 milhões de casos de sepse por ano, sendo que cerca de 80% deles acontecem fora do ambiente hospitalar. No entanto, esses números só destacam a gravidade da doença e a importância de se conscientizar sobre a prevenção e o tratamento adequado.
Ela é responsável por causar uma resposta inflamatória generalizada em todo o organismo. Essa resposta é desencadeada por um quadro infeccioso e pode levar à falência de múltiplos órgãos, além de outras complicações graves.
Embora a sepse possa ser causada por diferentes microorganismos, as bactérias são responsáveis pela maioria dos casos. Por isso, é essencial que as pessoas estejam protegidas contra essas bactérias por meio da imunização adequada.
O médico e diretor técnico da clínica de vacinas Salus Imunizações, Dr. Marco César Roque, explica que as vacinas são uma forma eficaz de prevenir a infecção por bactérias causadoras de sepse. Elas estimulam a produção de anticorpos específicos contra essas bactérias, fazendo com que o sistema imunológico esteja preparado para combater a infecção.
Alguns exemplos de vacinas que podem prevenir infecções bacterianas que podem levar à sepse incluem:
1. Vacina pneumocócica: A pneumonia é uma das principais causas de sepse, especialmente em idosos e crianças. A vacina pneumocócica previne a infecção por Streptococcus pneumoniae, a principal bactéria causadora de pneumonia.
2. Vacina meningocócica: A meningite é outra causa comum de sepse, especialmente em crianças e jovens adultos. A vacina meningocócica previne a infecção por Neisseria meningitidis, a principal bactéria causadora de meningite.
3. Vacina contra o Haemophilus influenzae tipo b: O Haemophilus influenzae tipo b é uma bactéria que pode causar meningite, pneumonia e outras infecções graves em crianças. A vacina contra o Haemophilus influenzae tipo b previne a infecção por essa bactéria.
4. Vacina contra a hepatite B: A hepatite B é uma infecção viral que pode levar à falência hepática e outras complicações graves. Embora a hepatite B não seja uma causa direta de sepse, a infecção pode enfraquecer o sistema imunológico, aumentando o risco de infecções bacterianas.
O Dr. Marco César Roque destaca também que, além dessas vacinas, outras medidas preventivas incluem a vacinação contra a gripe, que pode ajudar a prevenir infecções respiratórias que podem levar à pneumonia e outras infecções bacterianas, além de medidas de higiene, como lavar as mãos regularmente e evitar compartilhar objetos pessoais.
“É importante ressaltar que a imunização adequada não só ajuda a prevenir a sepse, mas também contribui para reduzir a propagação de doenças infecciosas em geral. Por isso, é essencial que as pessoas estejam em dia com seu calendário vacinal e busquem informações confiáveis sobre as vacinas recomendadas para sua faixa etária e condições de saúde”. Finaliza o Dr. Marco César Roque.
Mais Sobre Marco César Roque:
Diretor Técnico da Clínica de Vacinas Salus Imunizações
Médico graduado pela Faculdade de Ciências Médicas de Santos com
residência em Neurologia Pediátrica pelo Hospital do Servidor
Público Estadual- IAMSPE, responsável pelo setor de Neurologia
Pediátrica do Grupo Santa Joana. Membro da Sociedade Brasileira de
Neurologia Infantil, é preceptor do programa de Residência Médica
do Hospital Municipal Infantil Menino Jesus -PMSP.

Conteúdo Relacionado