fbpx

Meia 92

sábado, 18 de maio de 2024

Quais são os problemas articulares que mais acometem os pets?

IMG_5062

Problemas nas articulações são comuns nos pets mais idosos e ocorrem pelo desgaste natural das estruturas que compõem as articulações, mas animais jovens com predisposição genética, deficiência nutricional, excesso de peso, que tenham sofrido traumas ou que vivam em locais com o piso muito liso que dificulta a sua movimentação, também podem apresentar doenças articulares.

“De forma geral, os problemas articulares promovem a redução da mobilidade dos animais, e já foi considerado um dos principais fatores que comprometem a qualidade de vida dos pets. Os joelhos, cotovelos e o quadril são as regiões que costumam ser mais afetadas, e os sintomas mais perceptíveis de que as articulações do pet não estão bem é a dificuldade para andar e a relutância em realizar atividades rotineiras, como levantar ou subir degrau”, conta Taís Motta Fernandes, médica-veterinária gerente de produtos da Avert Saúde Animal.

Taís relata que os felinos costumam mascarar mais os sintomas de problemas articulares, alterando o seu comportamento natural. Para os tutores destes animais o aumento da agressividade, diminuição da ingestão de água, recusa de alimentos e dificuldade para urinar ou defecar na caixinha de areia podem ser sinais de alerta e devem ser investigados.

“Felinos são caçadores e mestres em camuflar suas fraquezas, por isso é importante ter total atenção aos hábitos deles e investigar qualquer mudança que não tenha um motivo evidente. Outra coisa que pode ser observada nestes animais é a redução da massa muscular em determinadas regiões pelo desuso de certas articulações”, alerta.

 

Quais são as doenças articulares mais comuns?

 Doença Articular Degenerativa (DAD): é uma enfermidade lenta e progressiva em que ocorre e a degradação da cartilagem que recobre as extremidades ósseas e o interior das articulações, e quase sempre está relacionada à idade do animal e ao desgaste natural das estruturas articulares ao longo da vida.

Nos gatos, a doença é mais comum entre os animais idosos. Estudos sugerem que cerca de 90% dos felinos com mais de 12 anos de idade possuem alguma articulação acometida por DAD. Já os cães podem ser acometidos em todas as idades e os animais de “alta performance”, como cães esportistas ou de trabalho, e animais obesos e sedentários, podem desenvolver o quadro com maior facilidade.

Os principais sintomas são rigidez e dificuldade de se levantar e realizar os movimentos mais comuns da rotina diária.

 

Displasia coxofemoral: A displasia coxofemoral é o desenvolvimento anormal da articulação que envolve o osso do quadril e o fêmur. Ela é pouco comum em gatos, acometendo principalmente raças grandes como o Maine Coon, e mais frequente nos cães de grande porte. As causas da doença são multifatoriais, envolvendo fatores genéticos e ambientais, além de peso e idade, que interferem no desenvolvimento adequado dos ossos desta articulação.

Os animais com displasia coxofemoral apresentam mobilidade de quadril reduzida, perda de massa muscular na região de coxa, sentam-se com maior frequência de lado, apresentam dificuldade para realizar atividades comuns como correr, pular, saltar, descer e subir escadas, e podem sofrer quedas repentinas durante caminhadas. Em casos mais avançados de displasia a cirurgia pode ser indicada.

 

Como evitar?

 Cuidar das articulações dos pets é tarefa importante e deve acontecer durante toda a vida do peludo, começando o quanto antes. Dois pilares importantes são a nutrição e a prática de atividade física leve e regular.

“Fornecer uma nutrição balanceada aos pets auxilia na manutenção adequada do peso do animal, evitando sobrecargas articulares. Suplementos alimentares que contenham condroitina, glicosamina, colágeno e ômega-3 também auxiliam na proteção e no fortalecimento das cartilagens e outras estruturas que compõem as articulações”, declara Taís. “Já a prática de atividade física leve e regular auxilia no fortalecimento da musculatura, dos ossos e das articulações. Além disso, quando realizada junto com o tutor, a atividade física ajuda a estreitar laços e multiplicar a confiança, sendo benéfico para as duas partes”, finaliza.

Conteúdo Relacionado