fbpx

Meia 92

sábado, 15 de junho de 2024

Doença Celíaca: entenda as diferenças entre intolerância e alergia ao glúten e saiba como seguir uma dieta sem glúten

celiaco

A doença celíaca é uma condição autoimune em que o sistema imunológico reage ao glúten, uma proteína encontrada no trigo, cevada e centeio. Essa reação causa danos no revestimento do intestino delgado, o que pode levar a uma série de sintomas, como diarreia, dor abdominal, inchaço, perda de peso e fadiga. A doença celíaca é bastante comum, afetando cerca de 1% da população mundial.
A nutricionista funcional Cris Ribas Esperança comenta que é importante destacar que a doença celíaca é diferente de intolerância e alergia ao glúten. A intolerância ao glúten é uma condição em que o consumo de alimentos com glúten causa sintomas semelhantes aos da doença celíaca, como diarreia, dor abdominal e inchaço, mas sem os danos no intestino delgado. Já a alergia ao glúten é uma reação alérgica ao glúten que pode causar sintomas como coceira, inchaço, urticária e dificuldade para respirar.
Para uma pessoa com doença celíaca, seguir uma dieta rigorosa sem glúten é essencial para prevenir os danos no intestino delgado e reduzir os sintomas da doença. Isso significa evitar alimentos que contenham trigo, cevada e centeio, além de outros ingredientes que possam conter glúten, como alguns tipos de aveia. É importante ler atentamente os rótulos dos alimentos e evitar produtos que contenham esses ingredientes.

Além disso, é importante ter cuidado com a contaminação cruzada, evitando utensílios de cozinha compartilhados e preparando alimentos sem glúten separadamente. Mesmo pequenas quantidades de glúten podem causar danos no intestino delgado de uma pessoa com doença celíaca. Por isso, é importante ter atenção aos detalhes na hora de preparar e consumir alimentos.

“Para ajudar a garantir uma alimentação saudável e equilibrada, é recomendável que pessoas com doença celíaca busquem orientação de um nutricionista especializado. Um nutricionista pode ajudar a desenvolver um plano de alimentação sem glúten que inclua alimentos naturais e frescos, como frutas, verduras, carnes e peixes, e opções de substituição para alimentos que contêm glúten, como pães, massas, biscoitos e cereais sem glúten.” Indica Cris Ribas Esperança.
A adesão a uma dieta sem glúten pode levar a uma melhora significativa dos sintomas e prevenir danos futuros ao intestino delgado. É importante destacar que a doença celíaca é uma condição médica séria e que o diagnóstico correto é fundamental para o tratamento adequado. Se você suspeita que possa estar sofrendo de doença celíaca, é importante procurar um médico especialista em gastroenterologia ou nutrição para obter um diagnóstico preciso e iniciar o tratamento adequado.

Em muitos países, pessoas com doença celíaca têm direito a uma alimentação sem glúten em escolas, hospitais e restaurantes. É importante conhecer seus direitos e exigir o cumprimento das leis de proteção aos celíacos.
“A doença celíaca é uma condição que requer cuidados especiais na alimentação e no estilo de vida. Embora possa ser desafiador seguir uma dieta rigorosa sem glúten, é possível ter uma vida saudável e feliz, desde que sejam tomados os cuidados adequados. Além disso, é importante que a sociedade como um todo esteja ciente da doença celíaca e das necessidades dos celíacos, para que possam ser oferecidas opções de alimentos sem glúten em locais públicos e privados. Com a conscientização e o apoio necessários, as pessoas com doença celíaca podem viver plenamente e sem restrições desnecessárias.” Finaliza Cris Ribas Esperança.

Conteúdo Relacionado