fbpx

Meia 92

sábado, 15 de junho de 2024

Sustentabilidade no esporte: óleo lubrificante usado na etapa da Stock Car em São Paulo será coletado e reinserido na cadeia produtiva

12-StockCar2022-MagnusTorquato-Interlagos-07-0065

A etapa de São Paulo do maior evento do automobilismo brasileiro, a Stock Car Pro Series, que ocorre entre os dias 22 e 23 de abril no Autódromo de Interlagos, terá a coleta de óleo lubrificante usado pelos carros de todas as equipes.

A Lwart Soluções Ambientais é a responsável pela coleta nesta e em todas as etapas da categoria. O resíduo gerado na temporada 2023 passará pelo processo de rerrefino, voltando para o mercado em forma de óleo básico de alta performance. A iniciativa, dada a abrangência e, acima de tudo, o compromisso com a sustentabilidade, posiciona a categoria como um case de economia circular.

O óleo lubrificante usado ou contaminado, conhecido como OLUC, é um resíduo perigoso presente em motores de automóveis e industriais que deve ser separado e gerenciado de forma adequada. A legislação brasileira* determina que todo OLUC deve ser coletado e destinado para a reciclagem, por meio do rerrefino, e proíbe taxativamente o uso do resíduo como combustível, destinação para queima ou para quaisquer outros fins. Para se ter uma ideia, segundo a AMBIOLUC, entidade que representa o setor, um único litro de óleo lubrificante usado é capaz de contaminar 1 milhão de litros de água. Além disso, para cada 10 litros queimados são gerados 20 gramas de metais pesados, segundo dados da Cetesb.

A estreia da temporada, em Goiânia, foi um sucesso. Agora vamos replicar a infraestrutura de coleta no mais icônico cenário do automobilismo brasileiro, o Autódromo de Interlagos. Cada óleo usado pelos carros a ser coletado é importante não apenas para a categoria, mas principalmente para o meio ambiente”, afirma Rodrigo Maia, Diretor de Coleta e Logística da Lwart Soluções Ambientais.

O caminho do OLUC na Stock Car

Serão instalados tambores próximos aos boxes das equipes para a coleta do óleo gerado pelos carros, tanto nos treinos quanto nas provas. Após o fim de semana do evento, esse resíduo coletado é devidamente armazenado e transportado por um caminhão específico para esse tipo de transporte e levado à fábrica da Lwart localizada em Lençóis Paulista/SP, uma das plantas mais modernas do mundo para rerrefino de óleo lubrificante usado.

Desta forma, a Stock Car receberá o Certificado de Coleta de Óleo e o Certificado de Destinação Final, documentos de valor legal que asseguram a conformidade com as normas ambientais.

O que acontece com o OLUC depois de ser coletado  

Uma vez coletado, o óleo lubrificante usado passa pelo processo chamado de rerrefino, para voltar a ser óleo básico, matéria prima para produção de lubrificantes. O conjunto tecnológico de ponta presente na planta da Lwart permite que o rerrefino aproveite praticamente 100% do óleo lubrificante usado que entra no processo industrial e transforme esse resíduo em óleo básico de alta performance, com qualidade igual ou superior ao produto de primeiro refino.

O óleo básico, por sua vez, vai para os principais produtores, que o aditivam e o transformam novamente em lubrificante. A partir daí o óleo volta ao mercado em forma de produtos industriais, agrícolas, automotivos e elétricos, formando assim um ciclo sustentável e infinito.

*Resolução Conama n. 362/2005 recepcionada pela Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei n. 12.305/2010) e regulamento (Decreto Federal n. 7.404/2010)

Resoluções da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) n. 19 e 20, ambas de 2009 e Lei do Petróleo (Lei n. 9.478/1997).

Conteúdo Relacionado