fbpx

Meia 92

sábado, 2 de março de 2024

Você sabe o que é hipertermia?

Canva

Mesmo com o fim do verão, período marcado por dias de muito calor, nós devemos tomar cuidado nos dias mais quentes. Além da exposição ao sol, o nosso corpo requer atenção a outros fatores. Você sabe quais são os riscos do calor excessivo? Hoje nós vamos falar sobre a hipertermia.

Em dias muito quentes, o nosso corpo precisa encontrar uma forma de resfriar, ou seja, abaixar um pouco a temperatura. Para isso, o próprio corpo produz o suor. O problema começa a aparecer quando permanecemos em um local quente ou abafado, sem os cuidados necessários, como beber uma quantidade de líquido adequada. Com isso, nós acabamos desidratando com mais facilidade, o suor não acontece e, consequentemente, a temperatura corporal aumenta, causando a hipertermia.

“A hipertermia é quando a temperatura central do nosso corpo aumenta por uma incapacidade do nosso organismo para liberar ou reduzir o calor”. afirma a médica geriatra da Prevent Senior Ana Paula Andrighetti, que faz um alerta: “É um problema grave, que pode levar pessoas a óbito quando a situação não é revertida”,

HIPERTERMIA

A hipertermia acontece quando a temperatura central do corpo (que é definida entre 36,6ºC e 37,6ºC) passa por um aumento abrupto, geralmente acima de 40ºC, comprometendo os tecidos e órgãos do nosso corpo.

“É um estado do corpo que afeta principalmente crianças e os Adultos+, que possuem uma menor capacidade de ajuste às alterações de temperatura”, destaca a médica.

Por ser caracterizada pelo aumento da temperatura do corpo, a hipertermia pode ser confundida com a febre, mas o que a difere da enfermidade é que a hipertermia está relacionada a uma incapacidade do corpo de dissipar o calor. Já a febre ocorre como uma resposta do nosso organismo a algum agente infeccioso.

SINTOMAS DE HIPERTERMIA

– Produção excessiva ou falta de suor
– Tontura
– Respiração rápida ou ofegante
– Dor de cabeça
– Fraqueza
– Pressão arterial baixa
– Vômitos
– Câimbras
– Alucinação
– Convulsão

A HIPERTERMIA TAMBÉM CONTÉM TRÊS CLASSIFICAÇÕES:

Hipertermia clássica – tem como principal fator um ambiente em temperaturas elevadas.

Hipertermia por esforço – ocorre durante a prática de uma atividade física, por exemplo.

Hipertermia maligna – acontece em indivíduos geneticamente propensos, quando submetidos a alguns medicamentos.

A médica Ana Paula Andrighetti explica que algumas condições médicas crônicas podem alterar as respostas do corpo ao calor, como hipertensão e doenças da tireoide. “Além disso, alguns medicamentos também podem interferir na capacidade do corpo de regular a temperatura ou realmente impedir a transpiração”, complementa.

A geriatra orienta que quando o paciente perceber que isso acontece com certa frequência, é importante que ele relate ao médico de referência.

EM DIAS MUITO QUENTES, TENHA ATENÇÃO!

– Beba uma quantidade de água adequada durante todo o dia;

– Prefira lugares cobertos ou áreas com ventilação adequada, longe do calor exposto;

– Vista-se com roupas leves e de cores claras;

– Prefira consumir alimentos frios, como frutas frescas, saladas e legumes, mas sempre respeitando as suas preferências e recomendações médicas;

– Evite tomar cafeína e álcool, pois são bebidas que contribuem para a desidratação;

– Evite praticar atividades intensas das 10h às 16h;

– Ao sair no sol, use filtro solar, chapéu ou boné;

– Se sentir cansaço, náuseas, tonturas ou dores de cabeça, saia imediatamente do sol.

Ao notar qualquer sintoma da hipertermia, tente se refrescar, mas se o mal estar persistir, procure imediatamente uma unidade de Pronto Atendimento.

REFRESQUE-SE

Confira alguns métodos para o resfriamento mecânico do nosso corpo:

– Ambientes arejados;
– Alimentos frios;
– Pacotes de gelo, ou bolsas térmicas frias;
– Lençóis molhados;
– Imersão em água fria

HIPOTERMIA

Ainda falando sobre este assunto, é bom explicarmos também sobre a hipotermia, que é o oposto da hipertermia. Ela acontece quando a nossa temperatura cai, ficando abaixo dos 35ºC, geralmente quando o corpo está exposto em um ambiente com temperaturas baixas. Nesse estado, o corpo acaba liberando mais calor do que consegue reter, resultando na diminuição da temperatura corporal. “Caso isso ocorra, é importante aquecer o corpo imediatamente, com cobertores, mantas e até mesmo bebidas quentes, além de checar as roupas e retirá-las se estiverem molhadas”, orienta a médica Ana Paula Andrighetti.

A geriatra esclarece que, se não ocorrer uma melhora rápida, é preciso buscar socorro imediatamente.

ATENÇÃO! Somente médicos devidamente habilitados podem diagnosticar doenças, recomendar tratamentos e receitar medicamentos. Em caso de suspeita de sintomas, procure um médico.

Conteúdo Relacionado