fbpx

Meia 92

sexta-feira, 1 de março de 2024

Planejamento financeiro: sete passos para começar a poupar do zero

towfiqu-barbhuiya-JhevWHCbVyw-unsplash

Se você procura sair das dívidas, já deve ter ouvido falar sobre a importância de ter um planejamento financeiro que nada mais é do que um processo que visa atingir metas de curto, médio e longo prazo por meio do gerenciamento dos recursos poupados. Nele, vale registrar as entradas e saídas, a fim de atingir finalidades pré-estabelecidas para o futuro.

Para auxiliar nessa tarefa, Felipe Gomes, fundador e CEO da fintech ContaFuturo,  plataforma criada para construir ferramentas financeiras focadas na redução de custo e alívio das contas mensais, oferecendo soluções para quitar dívidas, evitar uso do rotativo do cartão de crédito, cheque especial e reduzir o custo das contas recorrentes, separou sete dicas para você montar do zero a sua planilha de controle de gastos. Confira abaixo.

  • Faça o levantamento de todas as despesas: o primeiro passo para organizar as contas é anotar todas as entradas e saídas, incluindo as menores realizadas no dia a dia. Depois disso, é hora de contabilizar as despesas fixas como as contas de água, luz, gás, internet, aluguel e alimentação que são indispensáveis e as variáveis que podem incluir transporte, lazer e assinaturas. Essa etapa é importante para montar uma visão completa a fim de identificar os gastos supérfluos.
  • Tenha metas financeiras: dar nomes aos sonhos e objetivos é importante para traçar uma nova jornada, tornando os resultados mais palpáveis. Na prática, para atingir um propósito, você precisa ter metas de curto, médio e longo prazo para saber quanto poupar por mês para alcançar algo programado. Nessa etapa vale incluir aquela viagem dos sonhos, a compra de um bem ou a quitação de um imóvel, por exemplo.
  • Tente reduzir as despesas: analise todos os gastos e identifique as contas que podem ser cortadas como as tarifas de banco e anuidade de cartões, passando pela redução de gastos em planos de telefonia e internet, comer menos fora e usar mais o transporte público.
  • Comece uma reserva de emergência: ter um dinheiro poupado mensalmente para lidar com imprevistos, como o desemprego ou despesas médicas pode livrar do endividamento. O ideal é ter uma reserva com o valor equivalente de, no mínimo, três vezes a seis salários da sua renda líquida atual. Portanto, se você recebe R$ 2 mil, a sua reserva deve ser de no mínimo R$ 6 mil reais. Caso não consiga poupar todo o dinheiro, continue fazendo o possível para ter uma pequena poupança..
  • Pague suas dívidas: priorize o pagamento do cartão de crédito e empréstimos que podem acarretar em mais despesas. Caso não seja possível, considere negociar para diminuir o tamanho de uma conta trocando uma dívida maior por uma com menor taxa de juros.
  • Invista na educação financeira: ela é fundamental para manter o equilíbrio da vida pessoal. Considere estudar sobre finanças pessoais para aprender mais sobre, gestão de dívidas e planejamento financeiro. Existem diversas opções gratuitas ou com baixo custo, como cursos online e livros sobre o assunto que podem expandir a mente sobre a importância de poupar para uma vida feliz.
  • Acompanhe seus progressos: acompanhe regularmente o planejamento financeiro e, se necessário, faça ajustes conforme houver necessidades, celebrando as conquistas ao atingir suas metas financeiras. Uma boa opção é utilizar planilhas ou aplicativos financeiros para acompanhar seus gastos e receitas de forma automática.

“O controle financeiro pessoal é de suma importância para a saúde das nossas finanças e reflete diretamente na saúde mental e conquista dos objetivos financeiros”, finaliza Felipe Gomes, CEO da ContaFuturo.

Conteúdo Relacionado