fbpx

Meia 92

sábado, 2 de março de 2024

VIDA BILÍNGUE – Inglês com música é opção divertida e eficiente para desenvolver o idioma

side-view-woman-with-headphones-bed-using-marker-notebook

Eu costumo dizer que quando a gente se propõe a aprender um idioma é importante fazermos isso mantendo, além do propósito do aprendizado, a atmosfera da diversão. O processo requer foco, disciplina, estudo, assim como em qualquer outra área de estudos. Mas atravessar este processo de forma prazerosa é muito melhor.

Um dos grupos que tenho com foco no ensino de inglês é o grupo de inglês com música. A gente se reúne uma vez na semana, o grupo é bastante engajado nas aulas, e o processo está sempre atrelado à descontração e à diversão.

A cada aula os participantes aprendem vocabulário novo, praticam a pronúncia cantando, ativam o processo auditivo (listening), aprendem novos detalhes de gramática e também ajudam na tradução das letras, já que muitos são meus alunos regulares em outros cursos.

E que tipo de música a gente trabalha? Qualquer uma! Desde que seja em inglês. Ter contato com diversos estilos, cantores, cantoras, bandas e pronúncias é essencial para treinarmos o inglês de maneira eclética e dinâmica. Olha, até Marisa Monte já rolou nas aulas, pois ela tem gravações em inglês.

Contextualizar a canção, os compositores, os intérpretes e a história da música também faz parte do processo. E aí rola um pouco de cultura e história musical, que os alunos super curtem. Inclusive contribuem com informações.

Treinar inglês com música traz um aspecto muito importante para o treinamento de um outro idioma: a repetição. A gente ouve, repete, ouve, repete, e assim memoriza vocabulário e pronúncia.

Já conheci pessoas que estudaram inglês apenas com música. Eu diria que como atividade complementar é excelente e essencial. Mas estudar o idioma apenas com música requer alguns cuidados. A gente tem que se lembrar de que quando um compositor escreve uma letra ele se vale, de forma recorrente, de liberdade poética e de linguagem coloquial, até diríamos em alguns casos totalmente fora da norma culta. Ou seja, nenhum problema se o treino for para falar no dia a dia. Mas atenção: se o seu caso envolve o uso do inglês para o trabalho, lembre-se de que certos coloquialismos que você vê nas canções não cabem em comunicação corporativa. Fazendo esta separação, tá tudo bem!

Se você não tem o hábito de ouvir músicas em inglês, mas vai começar a estudar o idioma, ou já está estudando, fica a minha dica: quebre a rotina, e comece a ouvir. Ajuda em todos os aspectos do desenvolvimento da língua.

Em tempo: as aulas de inglês com música são abertas para quem já fala inglês e pra quem não fala. Tudo é passado para o português e todo mundo compreende.

Denise Domingues é jornalista, graduada em História

e atua como English teacher desde 2005.

Está no mercado como profissional independente desde 2011.

@teacher_domingues_denise

https://denisedoremi.wixsite.com/dominguesdenise

Conteúdo Relacionado