fbpx

Meia 92

segunda-feira, 24 de junho de 2024

Projeto visa formar mais de 30 mil profissionais para fortalecer enfrentamento às doenças infecciosas

projeto

O Ministério da Saúde, o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) e a BP – Beneficência Portuguesa disponibilizaram, via Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS), o projeto Educa VE, uma iniciativa educacional em vigilância em saúde que visa capacitar mais de 30 mil profissionais de saúde em todo o Brasil.

A capacitação dos profissionais da linha de frente da Vigilância em Saúde é essencial para a qualificação do cuidado e eficiência dos serviços prestados pelo SUS. A atualização dos conhecimentos permite o fortalecimento das ações de vigilância no enfrentamento a doenças infecciosas como a covid-19, dengue, Zika e chikungunya, além da ampliação da cobertura vacinal nos municípios. Muitas doenças podem ser prevenidas por vacinas, porém a taxa de vacinação no Brasil está abaixo dos índices preconizados pelo Ministério da Saúde nos últimos anos.

“Esperamos, que após o fim do curso, a população possa contar com profissionais mais bem preparados para lidar com estratégias emergenciais de controle e aprimoramento de resposta às epidemias e endemias, como por exemplo, quando o sistema público de saúde enfrentou o desafio de reconhecer o nexo entre o Zika vírus e os casos de microcefalia que aconteceram no Nordeste a partir dos sistemas de vigilância, e a mais recente, a pandemia da Covid-19”, afirma a Profa. Dra. Karina Calife, coordenadora do Educa VE.

Mauro Sanchez, diretor de Projetos da Secretaria de Vigilância em Saúde e Ambiente do Ministério da Saúde (SVSA/MS), destaca a relevância da vigilância em saúde diante de um mundo globalizado, em que as doenças circulam rapidamente de um continente a outro. “Desenvolver a capacidade para detectar casos suspeitos de doenças que compõem a lista de notificação compulsória nacional, bem como das enfermidades ou agravos inusitados, é fundamental para que as ações de prevenção e controle sejam aplicadas de forma eficiente”, afirma. 

O primeiro curso, com carga horária de 30 horas, formará 30 mil profissionais interessados ou já atuantes na área de vigilância em saúde. O objetivo da iniciativa é de transformar o conhecimento em ações para melhoria da qualidade de vida da população local por meio da atuação de equipes multidisciplinares presentes no SUS.

Já o segundo curso, com carga horária de 60 horas, formará 3 mil profissionais de saúde indicados pelos municípios das macrorregiões, selecionados a partir dos indicadores pactuados no comitê gestor do Educa VE. A iniciativa prioriza a formação dos profissionais atuantes nos municípios brasileiros de até 20 mil habitantes e demais municípios de referência nas macrorregiões, numa perspectiva de construção de rede em 1.966 municípios.

Inscrição do Educa VE – Iniciativa Educacional em Vigilância Epidemiológica

Duração: 60 horas;

Público-alvo: Profissionais de saúde com formação de ensino superior, médio, técnico, agentes comunitários de saúde e endemias, atuantes no SUS. Voltado aos municípios de até 20 mil habitantes e aos municípios mais populosos e/ou de referência nas macrorregiões numa perspectiva de redes de atenção. Para este curso, é necessário que o(a) candidato(a) possua vínculo com o Sistema Único de Saúde (SUS). Além disso, haverá interação nos fóruns pedagógicos com os facilitadores e turmas.

Proposta metodológica: participação em fóruns de aprendizagem com acompanhamento por Facilitadores, atividades autoinstrucionais e produção de boletim epidemiológico. Duração de três meses, e dedicação cinco horas semanais e 20 horas mensais;

Vagas: 600 vagas por ciclos e total de 3.000 vagas.

Início das próximas turmas: 24 de fevereiro, 19 de maio e 01 de setembro.

Para mais informações e inscrições, acesse aqui

 

Inscrição do Educa VE – Iniciativa Educacional em Vigilância Epidemiológica

Duração: 30 horas;

Público-alvo: profissionais e estudantes da área da saúde, profissionais da educação e da assistência social;

Proposta metodológica: autogestão (responsável pelo seu próprio processo educacional), podendo concluí-lo no tempo e período desejado;

Vagas: 30.000 vagas;

Período de oferta: curso disponível até dezembro/2023.

Para mais informações e inscrições, acesse aqui.

 

Sobre o PROADI-SUS 

O Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde, PROADI-SUS, foi criado em 2009 com o propósito de apoiar e aprimorar o SUS por meio de projetos de capacitação, demandados pelo Ministério da Saúde, sobre recursos humanos, pesquisa, avaliação e incorporação de tecnologias, gestão e assistência especializada. Hoje, o programa reúne seis hospitais sem fins lucrativos que são referência em qualidade médico-assistencial e gestão: Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Beneficência Portuguesa de São Paulo, HCor, Hospital Israelita Albert Einstein, Hospital Moinhos de Vento e Hospital Sírio-Libanês. Os recursos do PROADI-SUS advém da imunidade fiscal dos hospitais participantes.

Os projetos levam à população a expertise dos hospitais em iniciativas que atendem as necessidades do SUS. Entre os principais benefícios do PROADI-SUS, destacam-se a redução de filas de espera; qualificação de profissionais; pesquisas do interesse da saúde pública para necessidades atuais da população brasileira; gestão do cuidado apoiada por inteligência artificial; e melhoria da gestão de hospitais públicos e filantrópicos em todo o Brasil. Para mais informações sobre o Programa e projetos vigentes no atual triênio, acesse o portal PROADI-SUS.

Conteúdo Relacionado