fbpx

Meia 92

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2024

Internet faz parte da rotina de 93% das crianças e adolescentes de 9 a 17 anos no Brasil

Relação das crianças com a internet

A internet é parte da rotina de crianças e adolescentes entre 9 e 17 anos no Brasil. Estudo do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), revela que 93% dos brasileiros nessa faixa etária fazem uso da web. Dessa multidão de 22,3 milhões de pessoas conectadas, 93% utilizam o celular para acessar a rede e 58% usam o computador. É fato que as novas gerações integram o mundo digital. Mas as informações nem sempre são boas.

Entre a população adulta, quatro em cada 10 pessoas afirmam que recebem notícias falsas todos os dias e 65% temem ser vítimas de informações mentirosas, as fake news, de acordo levantamento do Poynter Institute, com apoio do Google. O cenário é ainda mais temeroso levando em conta estudo do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), dos Estados Unidos, A pesquisa revela que as notícias falsas circulam 70% mais rápido que as verdadeiras e alcançam muito mais gente.

No meio disso tudo estão estão jovens e crianças ainda despreparados para lidar com uma vastidão de informações divulgadas pela rede. Para enfrentar esse grande desafio, especialistas apontam que a participação da família no cotidiano digital dos pequenos é essencial. Regras precisam ser estabelecidas, porém, mais importante do que o controle, as crianças precisam aprender a respeitar limites para ter autonomia e liberdade.

“Educar é fundamental para que a criança ou o jovem construa a autonomia, adquira liberdade para se relacionar com o mundo de forma responsável. É importante compreender o nível de responsabilidade de cada criança e jovem antes de dar liberdade à eles” afirma a diretora da Escola Lumiar, Graziela Miê Peres Lopes. Ela comenta que é natural o interesse pelos conteúdos online e é importante que a família se comunicar com a criança e entre em contato com as informações que ela está acessando.

Restringir o acesso de uma vez por todas, com limites rígidos de horários, pode não ser a melhor opção, avalia o publicitário e fundador da startup De Criança Para Criança, Vítor Azambuja. “É importante estabelecer horário, mas também participar do mundo da criança. Perguntar o que ela está fazendo, o que está vendo, participar. Quando você diz não toda hora, você se exclui do mundo do seu filho e filha, e eles não entendem o motivo”, afirma.

Vitor pondera que não adianta explicar a uma criança ou adolescente que ele está perdendo tempo com informações inadequadas ou acessando conteúdos impróprios. “Importa você se juntar e ver o que a criança está vendo, estabelecer cumplicidade para que ela se sinta segura”, diz. Ele lembra que usar a internet com essa enormidade de conteúdos e informações pode gerar grande ansiedade. “Estar do lado do filho ou da filha, sabendo o que estão fazendo, um entrando no mundo do outro, pode ser até um alívio para que entendam melhor o mundo. As crianças precisam de regras e de segurança”, alega.

Graziela explica que as famílias devem estar atentas e acompanhar de perto para conferir se os conteúdos acessos pelas crianças e adolescentes são adequados e não prejudiciais. Segundo ela, é preciso despertar o interesse dos pequenos e jovens por outras atividades e pelo uso saudável da internet. “É importante pensar em como ampliar o repertório das crianças. Às vezes ela não tem referência de coisas que ela pode construir, pensar, brincar e jogar. É comum hoje as crianças estarem com tela na hora da refeição, sem prestar a atenção no que estão comendo. Muitas vezes é isso que ela vê no entorno dela, observando inclusive as pessoas mais velhas. Não é saudável para ninguém, criança, jovem ou adulto, permanecer tanto tempo diante de uma tela”, diz a diretora.

Geração cobaia

O universo dos nativos digitais ainda é desconhecido. Segundo Azambuja, essas crianças fazem parte de uma geração cobaia. “É a primeira geração que tem tanto acesso à internet. Então só vamos saber o que vai acontecer daqui a alguns anos. Só poderemos avaliar o resultado com o passar dos anos. Pode dar muito certo e pode dar muito errado. Vamos saber depois”, afirma.

Mesmo para os adultos, o mundo real e o virtual se misturam, e a internet tem muitos benefícios. Permite maior interação e troca de ideias. “Podemos visitar museus, ter contato com produções de arte. Há várias opções. Podemos assistir a conteúdos que nos deixam passivos, até hipnotizados, ou conteúdos que façam pensar, criar, ter novas ideias, conexões. É importante entender o que está sendo feito diante da tela” aponta Graziela.

As crianças precisam ser ensinadas a ter discernimento sobre o que é conteúdo de qualidade. A diretora comenta que a família deve conversar com o filho e a filha para entender o que eles veem, trazer referências de coisas saudáveis e também ativas. “É importante conhecer o mundo digital, mas é importante fazer atividades no mundo físico. É preciso equilibrar e ter diversidade para estimular nosso cérebro, manter o corpo saudável e crescer de forma benéfica”, diz.

Azambuja afirma que as famílias devem dar outras opções para a criança, não apenas o celular. “Fazer passeios, levar ao teatro, ao cinema, ao museu. Oferecer um livro interessante, entrar no mundo das crianças de outras maneiras, mostrando atividades lúdicas e divertidas”, comenta. Graziela acrescenta que o segredo é aprender a lidar com a liberdade e se comportar de forma responsável. “O limite é fundamental porque é um cuidado amoroso para que a criança e o jovem sejam preservados de coisas com as quais ainda não conseguem lidar, decidir. Limite é fundamental e liberdade também. É preciso ter discernimento”, diz.

Conteúdo Relacionado