fbpx

Meia 92

sexta-feira, 1 de março de 2024

PIX Internacional: como modalidade pode facilitar transações no exterior

person-paying-with-its-smartphone-wallet-app

Tecnologia ainda não disponível promete facilitar vida dos viajantes e de quem precisa realizar

operações para outros países de forma instantânea

Em 2022, o PIX, meio de pagamento instantâneo criado pelo Banco Central, completou dois anos. Nesse período, o sistema trouxe uma série de benefícios para usuários e empresas, proporcionando agilidade e facilidade para realizar pagamentos e transferências.

Um relatório da norte-americana ACI Worldwide, estima que até 2026 pagamentos em tempo real vão responder por um quarto de todas as transações eletrônicas no mundo. No Brasil, o estudo também aponta crescimento constante ao indicar que até 2026 o PIX pode representar 56,8% do total de transações.

Países como a Índia, China, Reino Unido, Austrália e Estados Unidos já utilizam métodos de pagamentos instantâneos. Com isso, faz com que sejam desenvolvidos novos processos inovadores para aprimorar cada vez mais o sistema.

Agora, o desafio é integrar um método de pagamento instantâneo que funcione internacionalmente. Chamada de Nexus — tecnologia desenvolvida pelo Bank Of International Settlements (BIS) em seu hub de inovação — a ideia é integrar países que já contam com algum sistema instantâneo de pagamento semelhante ao PIX facilitando ainda mais o processo de transferência e compra internacional. Ainda em fase de testes, o sistema poderá unir mais de 60 países, proporcionando transações mais rápidas e simples entre as diferentes nações e moedas em menos de um minuto.

Embora não esteja participando ativamente do desenvolvimento da tecnologia, o BC se mostra atento às tecnologias e tem se preparado para novos recursos, já estuda o modelo de PIX Internacional e está modificando as suas operações para implantar a tecnologia

“Caso funcione, o novo sistema facilitará a vida de todos, além de favorecer os serviços cambiais, remessa e pagamentos internacionais”, comenta Marcelo Fonseca, economista e sócio da HLB Brasil. “Os próximos anos prometem inovação e tecnologia que podem aproximar países, melhorar relações e ampliar ainda mais as possibilidades de transação e compras. Só podemos esperar por mais benefícios que o mundo digital pode proporcionar para facilitar em diversos aspectos a nossa rotina”, complementa.

 

Conteúdo Relacionado