fbpx

Meia 92

sábado, 15 de junho de 2024

O que muda com a regulamentação da telessaúde no País?

African american woman writing respiratory sickness treatment on notebook discussing pills treatment during online healthcare videocall meeting conference. Therapist doctor working remote from home

Talvez um dos assuntos mais evidenciados quando falamos em serviços de saúde na pandemia, a telemedicina conseguiu suprir parte dos atendimentos médicos em tempos de distanciamento social. Provavelmente, algumas pessoas adoraram a novidade e se adaptaram bem à tecnologia, enquanto outras não aprovaram conversar com o médico por meio de uma tela. 

Desde 2007, foram editadas diversas portarias pelo Ministério da Saúde dispondo sobre a telemedicina, mas não havia, entretanto, uma lei que trouxesse mais segurança jurídica para a modalidade – mesmo com a publicação da 13.989/2020, já que ela tratava da prática somente durante a pandemia. 

De acordo com os dados da Associação Brasileira de Empresas de Telemedicina e Saúde Digital, mais de 7,5 milhões de atendimentos virtuais foram realizados no País entre 2020 e 2021. 

Vitor Moura, CEO da plataforma VidaClass Saúde, afirma que “a aplicação da telemedicina durante a pandemia mostrou que a ferramenta de atendimento especializado on-line estimulou melhorias na saúde, tanto para o paciente quanto para o médico, pois validou um contato próximo e seguro mesmo de forma remota.” 

Dentro das tratativas do tema, no último dia 28 de dezembro, foi publicada a Lei 14.510/22, que revogou a 13.989/2020, colocando fim às discussões sobre a legalidade dos serviços médicos à distância e regulamentando a prática tanto no sistema público quanto no privado.

Tecnologia e otimização dos serviços 

As empresas de saúde vêm se mobilizando há algum tempo para conseguir combinar custo, qualidade e disponibilidade. A acessibilidade nos atendimentos promovidos pelas healthtechs que olham para a desburocratização é um direcionamento que permite atendimento especializado, redução de preços e manutenção da qualidade. 

Seguindo esse direcionamento, a VidaClass Saúde negocia seus produtos em uma plataforma com escolha, agendamento e pagamento totalmente digitais. Assim, o público tem o poder de decisão a poucos cliques de distância e dentro de uma rede credenciada ampla. “A predisposição para pagar por determinados serviços de saúde não é a mesma em um jovem e em um idoso, por exemplo. Entendendo isso, conseguimos personalizar nossas ofertas, evitando cobranças generalizadas, e, com a tecnologia, facilitamos todos os processos. Assim, é possível democratizar o acesso à saúde.”, finaliza o CEO da VidaClass Saúde.

Conteúdo Relacionado